Atipificidades de uma nação desgovernada.

Não se pode brincar de gato e rato na gestão de um país que já foi a 6ª economia do mundo, que possui potencial para produção de alimentos, energia, minérios para suprir a demanda mundial.

Por Paulo Vargas 07/09/2021 - 16:13 hs

7 de setembro sem parada mocidade, sem paradas militares, sem desfiles cívicos, sem as tradicionais manifestações de patriotismo, vimos um sete de setembro atípico, aliás com atípico é o cenário político brasileiro, sem protocolos, onde o motoboy, movimenta milhões da empresa em sua conta, onde um senador compra mansão com dinheiro vivo, por preço declarado, muito inferior ao valor do imovel. Atípico na sua representatividade, o grupo de seguidores do atual presidente busca uma forma de poder exercida diretamente pelo povo, mas a prática de seu lider é totalitária, o tradicional controle social dos poderes, executivo, legislativo, judiciário e do terceiro setor, está sendo exigido como monitoramento e sensura da mídia, judiciário e legislativo ao passo que o executivo fica livre e protegido. Que sistema é este, de onde vem, como funciona, onde funciona?

Não se pode brincar de gato e rato na gestão de um país que já foi a 6ª economia do mundo, que possui potencial para produção de alimentos, energia, minérios para suprir a demanda mundial. Brincar de esconde esconde, blefar no comando de uma nação é coisa de maluco, inconsequente e despreparado para gestão pública. Estamos prestes a uma convulsão social dos famintos desse país e a um isolamento do resto do mundo com ruptura de contatos de exportação. Ainda mais que o LOUCCO trouxe a terrível doença da vaca LOUCCA para o Brasil.

Chega o momento das forças sóbrias da nação brasileira impor o fim loucura toda.


Paulo Vargas é engenheiro civil

skynet